Sócio
E-mail
Facebook
Twitter
Youtube
Matos & Prata: Parceiro Escuderia Castelo Branco

 

 

 

 

 

 

 

No passado dia 10 de Novembro de 2016, a empresa Matos & Prata formalizou a parceria que tem com a Escuderia de Castelo Branco com a entrega de um BMW Série 1 para estar ao serviço daquela que é uma instituição de referência no País.

O concessionário BMW para os distritos de Castelo Branco e da Guarda, Matos & Prata, considera que esta parceria é extremamente importante para as entidades envolvidas, sendo que a promoção e o desenvolvimento dos desportos motorizados, contribuem para colocar o nome de Portugal no mundo.

É Bom Ser Sócio!

Conheça aqui as vantagens!

 

2º Convívio | 24 horas TT Vila de Fronteira
25 de novembro

II Convívio TT Turístico Escuderia Castelo Branco
24h TT Fronteira
25 novembro

INSCRIÇÕES: https://goo.gl/ePzHxy

Temos preparado mais um convívio para os amantes do TT, desta vez com destino às 24h TT Fronteira.

Saída de Castelo Branco em direção à Vila de Fronteira em percurso de Terra (caravana), com várias passagens em alcatrão. Teremos paragem para convívio e pequeno-almoço partilhado durante o percurso.

Na chegada à Zona de Espetáculo da prova 24h TT Fronteira, a equipa TT Turístico ECB tem reservado um espaço exclusivo aos participantes do convívio, onde haverá lugar para estacionar os veículos, zona de camping, zona de espetáculo da prova 24h Fronteira, zona de refeições e convívio.

Todos os participantes poderão pernoitar de 25 para 26 novembro em modo camping (cada participante deverá levar o equipamento necessário).

Qualquer incidente ocorrido durante o percurso ou no espaço reservado pela TT Turístico na ZE, a organização não se responsabiliza.

Percurso feito única e exclusivamente para veículos Todo o Terreno.

Os participantes de carros ligeiros que se deslocam diretamente por alcatrão até Fronteira, a equipa TT Turístico disponibiliza-se para ir buscar o participante à zona de alcatrão mais próxima do local reservado TTT ECB.

Faz a tua inscrição (regularizado) para o Convívio 24h Fronteira até dia 03 de Novembro e poderás participar gratuitamente no Convívio TT Malpica do Tejo (percurso + almoço)

Agenda do Convívio

05h30 – Ponto de Encontro Pista de Desportos Motorizados de Castelo Branco (Pista do Lanço Grande)
06h30 – Partida para percurso Terra – Castelo Branco / Alagoa
09h30 – Pequeno-Almoço partilhado na barragem de Nisa
11h00 – Partida p/ continuação de percurso Terra
13h00 – Chegada a Alter do Chão p/ reagrupamento dos participantes
13h15 – Partida p/ Vila de Fronteira
13h40 – Chegada Zona Espetáculo 24h TT Fronteira

As Inscrições são Limitadas ao número de participantes
Inscrição inclui percurso CB / Fronteira, equipa TTT ECB, Brinde, Autocolante alusivo ao evento, Almoço, Lanche, ZE prova 24h Fronteira, zonas exclusivas de estacionamento, camping e convívio.

Valor de Inscrição

Sócio – 25€
Não Sócio – 40€
Crianças até 12 anos – 12€
Pack Sócio Família ECB - Necessário que pelo menos um membro do agregado familiar adulto seja sócio ECB com cotas regularizadas, para que possam usufruir do valor de inscrição para sócio.
Em carro da organização (boleia) – mais 15€ ao valor de inscrição

3 novembro - Data Limite de Inscrição (regularizado) com direito a participação gratuita no Convívio TT Malpica do Tejo no dia 5 de novembro (percurso + almoço)
17 novembro – Data Limite de Inscrição

Para mais informações:
E-mail - escuderiacb@gmail.com
Telefone – 964 894 757
Site – www.escuderiacastelobranco.pt

Ricardo Porém vence a Baja TT de Idanha-a-Nova
8 e 9 de setembro

Emoção e vários duelos na prova organizada pela Escuderia Castelo Branco

 

Ao volante de uma Ford Ranger, Ricardo Porém foi o vencedor da edição de 2017 da Baja TT de Idanha-a-Nova. O piloto de Leiria protagonizou um intenso duelo com João Ramos, que acabou por desistir, e completou a quarta jornada do campeonato no primeiro lugar. O pódio ficou completo com Paulo Rui Ferreira, que foi segundo, e Alexandre Franco, que terminou na terceira posição.

 

Espetáculo e incerteza marcaram o segundo dia de competição dos automóveis na Baja TT de Idanha-a-Nova. Ricardo Porém e João Ramos partiram para os sectores seletivos desta segunda etapa separados por menos de dois segundos. O primeiro sector começou equilibrado, mas, após 29 quilómetros, o líder do campeonato teve um furo na Ford Ranger. O adversário aproveitou e obteve uma vantagem que lhe permitia gerir o andamento. No final dos primeiros 141,8 km do dia, Ramos estava na frente com mais de três minutos para Porém. No terceiro posto surgia Paulo Rui Ferreira, mas com apenas 44 segundos sobre Alexandre Franco. Já Alejandro Martins, que tinha vencido a Baja TT do Pinhal e partiu para esta etapa atrás dos dois primeiros, teve problemas elétricos na sua Toyota Hilux. Procurou recuperar, mas chegou fora do controlo e já não partiu para SS2.

 

À tarde, Porém partiu com vontade de recuperar terreno. Isso foi uma realidade. Com problemas mecânicos na sua Toyota Hilux, Ramos cedeu quase 1m30s nos primeiros 50 km da tarde e viria mesmo a abandonar. Deste modo, o líder do campeonato levou a Ford Ranger até ao final no primeiro posto e obteve o segundo triunfo do ano. Além dos 25 pontos da vitória, ainda somou mais dois relativos aos melhores tempos obtidos no prólogo e em SS2.

 

“Atingimos o objetivo que nos tínhamos proposto, que era vencer. Ganhámos duas das três especiais o que também é importante em termos de pontos. Sem dúvida que é um passo importante rumo ao título. Vamos ver agora com as últimas duas provas que faltam. Eu não sou muito de fazer a gestão, de atacar mais ou menos consoante o resultado. Obviamente, essa situação vai sempre existir na Baja Portalegre, mas é meu objetivo vencer pela quarta vez e é por isso que vou lutar. Quero dar os parabéns à Escuderia pela excelente organização que, uma vez, mais proporcionou a todos os concorrentes”, afirmou o líder do campeonato nacional que sai desta prova com 78 pontos.

 

Além do duelo protagonizado por Porém e Ramos, a Baja TT de Idanha-a-Nova teve mais pontos de interesse. Logo a começar pelos restantes lugares do pódio. Paulo Rui Ferreira acabou em segundo, mas não teve vida fácil. O piloto da Toyota Hilux acabou a mais de dez minutos do vencedor, mas ficou com Alexandre Franco, em BMW Evo X1, a apenas 24 segundos após mais de 340 quilómetros contra o relógio.

 

Diretamente de Espanha, Luis Recuenco, marcou presença na prova organizada pela Escuderia Castelo Branco para acabar em quarto lugar ao volante de uma Toyota Hilux Overdrive. Lino Carapeta, num Range Rover Evoque Proto, fechou o top-5 desta competição.

 

Na categoria T2, apesar do embate renhido durante grande parte da Baja TT de Idanha-a-Nova, Rui Sousa acabou por garantir a pontuação máxima com folga para o segundo classificado. César Sequeira, que acabou em segundo nesta classificação particular, demorou mais de seis minutos a cumprir o percurso em relação ao seu rival. Entre os T8, Hugo Raposo foi o melhor e deu mais um passo rumo ao título. Já no Desafio Mazda, Bruno Rodrigues foi o vencedor.

 

Nas contas da Taça Nacional de TT, João Pinheiro garantiu a vitória na Baja TT de Idanha-a-Nova. Ao volante de um Nissan Terrano I, conseguiu ganhar com quase quatro minutos de diferença para o segundo classificado, Mário Mendes (Suzuki Jimny). André Santos acabou no último lugar do pódio com o UMM Alter Troféu depois de já ter feito a ligação entre o Algarve e a Beira Baixa a rolar no carro de competição.

ENDURO DE NÍVEL MUNDIAL EM CASTELO BRANCO
21/22 e 23 Julho

Capital da Beira Baixa recebe prova do campeonato maior da modalidade

Enduro de nível mundial em Castelo Branco

 

Capital da Beira Baixa recebe prova do campeonato maior da modalidade

 

 

 

 

 

Castelo Branco vai engalanar-se para receber os melhores pilotos da atualidade no enduro de nível mundial. Pela primeira vez, a cidade vai ser o centro de uma prova pontuável para o campeonato do mundo da modalidade. A organização do Alegro Enduro Castelo Branco está a cargo da Escuderia Castelo Branco que coloca todos os meios e conhecimentos para garantir o sucesso do evento que se realiza entre os dias 21 e 23 de Julho.

 

Falta menos de um mês para que mais de 130 pilotos, provenientes dos quatro cantos do mundo, sejam postos à prova no Alegro Enduro Castelo Branco. A prova organizada pela Escuderia Castelo Branco, realiza-se entre os dias 21 e 23 de Julho e é a sexta jornada a pontuar para o campeonato mundial da especialidade. Além da competição internacional, na qual se espera a participação de 85 equipas, esta ronda conta ainda para o campeonato português, com cerca de 50 participantes.

 

 

Para o diretor do evento do Alegro Enduro Castelo Branco, Hélder Esteves, esta é “a prova de maior dimensão que a Escuderia já realizou relativamente às motos. É pontuável para o campeonato do mundo, o que implica um nível de exigência de exceção. É uma oportunidade única para ver os melhores do planeta a competir na região”, disse.

 

 

“Neste momento já entrámos numa fase em que ultimamos os pormenores para receber as comitivas internacional e nacional. Ao longo dos últimos meses foram tomadas muitas medidas para que esta edição seja reconhecida pela qualidade. Acreditamos que vamos conseguir por de pé uma grande prova de enduro”, acrescentou o responsável.

 

 

Os pilotos vão encontrar um percurso desenhado com base nas provas que a Escuderia Castelo Branco já organizou a contar exclusivamente para o campeonato nacional. As dificuldades do terreno serão uma evidência, a que se deverá juntar o calor, pois a região é conhecida pelas altas temperaturas que se fazem sentir no final do mês de Julho.

 

 

Formato competitivo do Alegro Enduro Castelo Branco

 

 

Com o centro operacional da prova instalado no Centro Comercial Alegro Castelo Branco, as atividades relacionadas com a competição têm início a 21 de Julho, com a realização das Verificações Administrativas e Técnicas. É um dia preenchido com estes requisitos, mas que com o cair da noite já há ação. Às 20 horas, os concorrentes partem do parque fechado para a primeira etapa, um Super Test com 1000 metros de extensão, que se realiza no Campo Militar do Montalvão. O aperitivo servirá para definir a primeira classificação. É um momento de grande tensão porque raramente se ganha o que quer que seja mas pode deitar-se tudo a perder.

 

 

No dia 22, o primeiro concorrente deixa o Parque Fechado às 9h00. Vai abrir o percurso competitivo que começa com o Cross Test. É uma prova com 10 quilómetros que se realiza junto ao Campo de Futebol do Valongo. Às 10h15, novo desafio. É o Extreme Test, que tem dois quilómetros, e está localizado no Barrocal. 15 minutos mais tarde, tem início o Enduro Test, uma especial com dez quilómetros que tem lugar junto ao Centro Comercial Alegro. Cada um dos testes é cumprido pelos pilotos por três vezes. O dia termina com a distribuição de prémios marcada para as 20 horas. A derradeira ronda competitiva do Alegro Enduro Castelo Branco está reservada para dia 23 de Julho. Na prática, os concorrentes enfrentam um desafio semelhante ao da véspera.

 

 

O Centro Comercial Alegro Castelo Branco vai ser o local onde basicamente tudo acontece durante estes dias, seja quando os pilotos estão a competir, ou não. É aí que a organização, em estreita colaboração com os responsáveis por este espaço comercial, instala o Secretariado, as Salas de Júri, o Gabinete de Imprensa e é também onde estão os dois parques, o de Assistência e o Fechado.

 

 

Para além da vertente competitiva, o Alegro Enduro Castelo Branco vai ter muita animação. Destaque para o concerto que se vai realizar na noite de sábado, dia 22 de Julho.

Competição emocionantes em todas as categorias

Diogo Vieira, Norberto Teixeira e Diogo Parente vencem no super enduro de Castelo Branco

 

 

 

 

 

Castelo Branco recebeu, pela primeira vez, uma prova do campeonato nacional de super enduro. O Parque de Desportos Motorizados da cidade foi o palco para a disputada competição que teve em Diogo Vieira, Norberto Teixeira e Diogo Parente os vencedores nas categorias Prestige, Open e Hobby, respectivamente.

 

 

A prova, organizada pela Escuderia Castelo Branco, teve um programa concentrado e muito preenchido durante a tarde e a noite do passado sábado. Cumpridos os treinos, as quase três dezenas de pilotos participantes, mostraram perante o público como esta variante específica do enduro pode ser tão espectacular.

 

A nível competitivo, Diogo Vieira triunfou na Super Pole e, nas três finais realizadas, ganhou duas e foi terceiro noutra. Com este resultado, sagrou-se o primeiro vencedor do super enduro de Castelo Branco e somou o máximo de pontos para o campeonato Bradol 2017. Joã Ribeiro acabou em segundo, enquanto André Mouta fechou o pódio.

 

 

Na categoria Open, o mais forte foi Norberto Teixeira. O piloto dominou por completo as três finais da noite e deixou Márcio Barbosa e Albano Mouta em segundo e terceiro, respectivamente. Para fechar, na classe Hobby, Diogo Parente bateu Pedro Durães e Xavier Nico, que completaram o pódio.

 

Para o director de prova, Sérgio Sequeira, “a primeira prova do género realizada em Castelo Branco correu muito bem. Os pilotos gostaram do circuito desenhado no Parque de Desportos Motorizados e o público ficou extremamente satisfeito com o contacto que teve com a modalidade”.

 

 

Terminada esta organização, a Escuderia Castelo Branco concentra-se num dos eventos do ano, o Alegro Enduro Castelo Branco, prova pontuável para o campeonato do mundo da especialidade que se realiza entre os dias 21 e 23 de Julho.

 

 

INSCRIÇÕES SUPER ENDURO

Aceda AQUI para aceder ao Boletim de Inscrição

 

Lista de inscritos de nomeada na Baja TT do Pinhal

Os principais candidatos à vitória nas diversas categorias confirmam presença

 

 

 

 

 

 

A Baja TT do Pinhal vai receber praticamente centena e meia de equipas na edição que se realiza já na próxima sexta-feira, dia 16, e no próximo sábado, dia 17. Oleiros, Proença-a-Nova e Sertã vão receber a  fina flor do TT nacional em automóveis, motos, quads e SSV. Durante dois dias, as pistas definidas pela Escuderia Castelo Branco para mais esta ronda dos respectivos campeonatos vão ser o palco de discussões que se antevêem emocionantes até ao derradeiro controlo de tempos.

 

 

Já na semana da prova, ultimam-se os preparativos para mais esta jornada pontuável para as competições nacionais. Entre os automóveis, foram quatro as dezenas de inscrições que chegaram à sede da Escuderia Castelo Branco. Entre os 40 concorrentes, estão todos os nomes que têm lutado pelos principais lugares de cada prova já realizada em 2017. Ricardo Porém chega ao Pinhal Interior como líder. O piloto da Ford Ranger tem 50 pontos, mais 13 do que Pedro Ferreira que, com dois pódios já alcançados, é o segundo classificado. João Ramos está em terceiro e procura voltar aos bons resultados, depois de uma vitória e um abandono.

 

 

No T2, Rui Sousa surge destacado aos comandos da sua Isuzu. Em modelo da mesma marca, César Sequeira quer encurtar os oito pontos de desvantagem. Já no T8, a luta pelo primeiro lugar está ao rubro. Os dois primeiros estão separados por apenas dois pontos. Nas pistas entre Oleiros, Proença-a-Nova e Sertã, Georgino Pedroso e Hugo Raposo vão querer repetir as vitórias – cada um tem uma – mas terão de contar com a concorrência que também procura vencer.

 

 

Mais de uma centena de motos, quads e SSV

 

 

Com as inscrições praticamente fechadas, a Baja TT do Pinhal espera uma grande presença de concorrentes nas duas rodas, de quads e nos SSV. Só nesta última categoria estão já confirmadas 50 viaturas. Cada vez mais popular, continua a crescer em número de inscritos e a prova organizada pela Escuderia Castelo Branco confirma a tendência.

Com muitos participantes em perspectiva, a Baja TT do Pinhal marca o início da da época estival com uma competição cheia de pontos de interesse do princípio ao fim. No dia 16, sexta-feira, os automóveis cumprem duas passagens pela super-especial. Já as motos, quads e SSV fazem o prólogo e ainda nesse dia disputam o primeiro sector selectivo. O dia grande da competição é o sábado, dia 17. Será no fim-de-semana que os participantes, seja de que categoria for, percorrem a maior distância. No total, os automóveis realizam 346,89 quilómetros, enquanto as motos, os quads e os SSV têm 337,99 km pela frente.

 

 

Para o director de prova dos automóveis, “a Baja TT do Pinhal e a Escuderia Castelo Branco voltam a merecer a confiança dos principais pilotos e equipas que normalmente competem nos campeonatos nacionais. Para a edição deste ano, a organização optou por manter a estrutura e optimizar alguns aspectos em relação à prova da última época”, afirmou Nuno Almeida Santos.

 

Pinhal Interior sob os holofotes do TT nacional

Oleiros, Proença-a-Nova e Sertã recebem prova do campeonato português

 

 

 

 

 

A Escuderia Castelo Branco tem praticamente tudo pronto para a realização da terceira prova do Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno AFN, para os automóveis, e quinta na competição maior de motos, quads e SSV. As localidades de Oleiros, Proença-a-Nova e Sertã voltam a ser os três eixos da prova que reúne os principais pilotos da modalidade e que se realiza nos dias 16 e 17 de Junho.

 

 

A Baja TT do Pinhal realiza-se em meados do próximo mês e apresenta várias novidades. A prova que pontua para as principais competições sob a égide da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) e da Federação de Motociclismo de Portugal (FMP) vai começar em Proença-a-Nova. O Parque de Partida está montado nesta localidade. Aqui começará a prova, que durante 2 dias percorrerá 346,89 quilómetros de percurso cronometrado para os automóveis e 337,99 km para as motos, quads e SSV’s.

 

 

O prólogo (9,57 km) realiza-se junto à Pista de Aviação das Moitas, em Proença-a-Nova, e será disputado por duas vezes pelos carros, enquanto as motos, quads e SSV’s o fazem por uma única ocasião. Estes têm ainda 30 Km de setor seletivo – o primeiro - na sexta-feira, dia 16.

 

 

 Oleiros também recebe a partida de dois sectores seletivos desta prova da Escuderia Castelo Branco (o primeiro SS das Motos e o segundo SS dos autos). A vila da Sertã mantém-se como centro nevrálgico da Baja TT do Pinhal. É no centro da localidade que estão localizados os Parque Fechado e Parque de Assistência. Nota também para o facto de todos os sectores seletivos terminarem muito perto da Sertã.

 

Uma das características incontornáveis desta prova é a tecnicidade das pistas, pois realiza-se no coração da região do Pinhal Interior. Mas a organização preocupou-se em tornar o percurso mais variado e os concorrentes vão encontrar muita diversidade de pistas. Durante os dois dias de competição, vão passar por estradões rápidos e por zonas mais técnicas e lentas.

 

 

 

 

 

Três perguntas aos diretores de prova: Sérgio Sequeira e Nuno Almeida Santos.

 

 

Quais as expectativas para a Baja TT do Pinhal 2017?

Sergio Sequeira: Vai ser uma prova muito exigente. O percurso sofreu algumas alterações em relação ao ano anterior. Será mais variado, mais rolante, mas não perde a sua identidade. Se estiver calor, os concorrentes, seja de automóvel, de quad, de moto ou de SSV vão ter dificuldades adicionais. Esperamos, por isso, um grande espetáculo.

 

 

Quais foram as principais preocupações para esta edição?

Nuno Almeida Santos: A Escuderia Castelo Branco procurou manter o formato da temporada passada. Sentimos que resultou muito bem. Os pilotos e as equipas gostaram; e o público também. Conseguimos colocar os parques fechados e de assistência nos centros populacionais, o que é importante para levar as corridas às pessoas. Tentámos fazer isso e dar ainda mais destaque a Proença-a-Nova e a Oleiros em simultâneo com o que acontece na Sertã. Acreditamos que temos uma prova equilibrada e que irá, certamente, ter um grande interesse desportivo.

 

 

O que é que o público pode esperar da Baja TT do Pinhal 2017?

Sergio Sequeira: Certamente que vai ser uma prova emocionante. Portugal é, de há muitos anos, o país com o melhor campeonato nacional de Todo- o-Terreno, seja em que categoria for. Os principais nomes da modalidade estão já confirmados para esta edição do Pinhal Interior, e irão discutir entre eles os triunfos nas várias categorias. Com máquinas espetaculares e pilotos rápidos, vamos ter – certamente - uma grande edição da Baja TT do Pinhal.

 

 

O Gabinete de Imprensa

 

Castelo Branco, 29 de maio de 2017

 

 

Baja TT do Pinhal foi apresentada

Sertã mantém-se como centro nevrálgico da prova

 

 

 

 

 

 

Nos dias 16 e 17 de junho realiza-se mais uma edição da Baja TT do Pinhal, organizada pela Escuderia de Castelo Branco, prova a contar para o Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno, que terá como palco as vilas da Sertã, Oleiros e Proença-a-Nova.

 

 

A Sertã volta a ser o centro nevrálgico da prova: no centro da vila estarão localizados os parques (Fechado e de Assistência) e todos os sectores selectivos terminam na Sertã. Organizada sob a égide da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) e da Federação de Motociclismo de Portugal (FMP), a prova terá início em Proença-a-Nova, onde estará montado o Parque de Partida. O prólogo (9,57km) realiza-se junto à Pista de Aviação das Moitas, em Proença-a-Nova, e será disputado duas vezes pelos carros, enquanto as motos, quads e SSV’s o fazem uma única vez, tendo ainda o primeiro sector selectivo (30km) no primeiro dia. Oleiros receberá a partida de dois sectores selectivos: o primeiro SS dos autos e o segundo SS das Motos.

 

 

Durante dois dias, serão percorridos 346,89 km cronometrados para os automóveis e 337,99km para as motos, quads e SSV’s, numa prova caracterizada pela tecnicidade das pistas: o percurso é variado com pistas muito diversas. Durante os dois dias de competição, os concorrentes irão passar por estradões rápidos e por zonas mais técnicas e lentas.

 

 

José Farinha Nunes, Presidente da Câmara Municipal da Sertã, na apresentação da Baja TT do Pinhal que decorreu na Sertã, na passada segunda-feira, referiu que este tipo de iniciativas desportivas promove o território da zona do pinhal, “sendo um investimento com retorno, ao mesmo tempo que proporciona momentos de adrenalina e espectáculo para o público”. De acordo com o autarca, dada a experiência da entidade organizadora (Escuderia Castelo Branco), “é esperado um evento que irá correr da melhor forma e será um sucesso garantido”.

 

 

João Lobo, Presidente da Câmara Municipal da Proença-a-Nova, realçou o mérito em “agregar três municípios para oferecer uma prova de desporto motorizado”, e com ela dar visibilidade ao território. Reforçou a ideia do investimento e sublinhou o momento oportuno da realização desta prova, numa altura em que “o país está dentro do radar turístico”.

 

 

Paulo Urbano, Vereador da Câmara Municipal de Oleiros, referiu que a Baja TT do Pinhal tem todas as condições para se tornar imagem de marca do Todo-o-Terreno. “É uma prova de qualidade reconhecida e bastante reputada, que tem aliciado equipas e pilotos a participar.” Referiu tratar-se de uma atividade motora e potenciadora do desenvolvimento da região, “que estimulará de forma incondicional o tecido socioeconómico da região que tão bem sabe receber.”

 

 

António Sequeira, Presidente da Escuderia Castelo Branco, agradeceu o apoio e a confiança dos três municípios envolvidos, e a oportunidade de mostrar o pinhal interior através do desporto motorizado. De acordo com este responsável, “será a melhor Baja TT do Pinhal de sempre, que mostrará os melhores caminhos e melhores paisagens, fruto do trabalho de mais de 300 pessoas da Escuderia”.

 

 

Sérgio Sequeira, Diretor de Prova – Moto, revelou a configuração do percurso e apresentou as principais novidades da edição deste ano, nomeadamente a extensão total da corrida (nas motas aumentou em 100 km em relação ao ano passado) e a maior variedade de terrenos. Os troços foram melhorados e vão ser mais acessíveis ao público. “Prevê-se cerca de 130 inscritos nas motos e gostaríamos de contar com os pilotos da terra”, finalizou.

 

 

Nuno Almeida Santos, Diretor de Prova – Auto, referiu que “vamos ter uma prova muito competitiva, com excelentes trilhos. Estão reunidas as condições para um evento todo-o-terreno que irá honrar o território e a própria Escuderia. Temos razões para acreditar num aumento do número de participantes relativamente a edições anteriores”.

Prova realiza-se nos dias 6 e 7 de Maio

Castelo Branco recebe campeonato de Espanha de Autocross

 

 

 

 

 

A Escuderia Castelo Branco está a ultimar os preparativos para receber a próxima ronda pontuável do campeonato de Espanha de autocross. A prova realiza-se no primeiro fim-de-semana do mês de Maio e as inscrições estão a decorrer a bom ritmo.

 

 

A menos de duas semanas do próximo grande evento de desporto motorizado organizado pela Escuderia Castelo Branco, tudo está a ficar pronto para receber as melhores equipas e os pilotos mais rápidos do campeonato espanhol de autocross.

 

 

Recentemente, alguns elementos do clube albicastrense estiveram em representação do mesmo em Lleida, cidade espanhola que recebeu a última jornada do campeonato antes da vez de Castelo Branco. O trabalho de promoção resultou e a lista de inscritos está a crescer.

 

 

A Escuderia está empenhada em melhorar a organização deste evento. Por isso, tem desenvolvido um trabalho no sentido de criar melhores condições no Parque de Desportos Motorizados da cidade para receber o público com conforto.

 

ASSEMBLEIA GERAL 2017
Fontes com vitória épica em Castelo Branco

José Pedro Fontes e Inês Ponte foram os grandes vencedores da edição de 2017 do Rali de Castelo Branco. A dupla campeã nacional assegurou o triunfo depois de um embate épico com Carlos Vieira que ficou no segundo lugar a 2,6 segundos de diferença. O vencedor da edição de 2016, João Barros, acabou no último lugar do pódio.

A segunda jornada do campeonato nacional de ralis ficou marcada por um verdadeiro duelo entre pilotos ao volante de viaturas iguais, o Citroën DS3 R5. Desde a primeira classificativa que ambos mostraram capacidade para discutir o primeiro lugar. Durante a etapa inicial, João Barros, em Ford Fiesta, ainda se imiscuiu neste confronto e, apesar de alguns problemas de travões no carro, acalentou esperanças de repetir a vitória do ano anterior.

Mas nas seis classificativas que a Escuderia Castelo Branco reservou para o dia de hoje, só Fontes e Vieira foram os mais rápidos. Os dois terminam esta prova com quatro vitórias em troços. Cada um venceu uma especial na véspera e na etapa de hoje somou mais três triunfos.

Durante a manhã, Carlos Vieira foi o mais rápido nas duas primeiras classificativas. Antes do final da secção, José Pedro Fontes respondeu e recuperou o primeiro lugar. Durante a tarde, o portuense voltou a registar o melhor tempo. Mas em Fonte Longa 2, Vieira conseguiu bater o rival e ambos partiram para o último confronto separados por um segundo.

A tensão era tão grande como a emoção. Era certo que só no derradeiro controlo se saberia quem venceria o Rali de Castelo Branco de 2017. E aí, o melhor foi José Pedro Fontes. Bateu a concorrência na classificativa final e chegou ao pódio final com 2,6 segundos de vantagem sobre Carlos Vieira.

“Foi muito importante vencer o Rali de Castelo Branco. Tivemos uma grande luta com o Carlos Vieira que poderia pender para qualquer lado. Se tivesse caído para o lado dele, a vitória também seria bem entregue. Ele tem vindo a evoluir bastante. No rali, andámos sempre no máximo e as diferenças de tempo mostra isso”, afirmou José Pedro Fontes.

Para Carlos Vieira, o resultado também foi positivo. “Entrámos para o último troço com o objectivo de ganhar a especial e o rali. Mas acabou por não me correr tão bem como desejava. Estou satisfeito com o meu desempenho. Melhorei bastante nos últimos 12 meses e isso verificou-se nos tempos face à edição do ano passado.”

Durante a última etapa, João Barros não sentiu os problemas de travões no carro que o incomodaram na véspera mas, apesar disso, teve de se contentar em assistir de perto a confronto entre os dois primeiros.

Miguel Barbosa (Skoda Fabia R5) continuou a evolução nos ralis e estava satisfeito com os progressos registados que lhe valeram o quarto lugar absoluto. Na quinta posição, Ricardo Teodósio (Mitsubishi Lancer Evo X) assegurou a vitória no Agrupamento de Produção, a classe RC2N. O piloto algarvio teve uma participação a crescer e a prova disso foi a margem que conquistou, ao longo dos dois dias, face ao segundo classificado, Carlos Martins, em carro igual ao de Teodósio. O piloto alentejano fechou no sétimo lugar absoluto logo atrás de Francisco Cima que, em Renault Clio R3T, foi o melhor em carros com duas rodas motrizes.

Neste particular, o espanhol protagonizou um despique interessante com o seu compatriota, Javier Bouzas. Mas a experiência alcançada na edição do ano anterior foi valiosa para ser o melhor. Com este resultado, Cima conseguiu, ainda conquistar a vitória no troféu ibérico Renault Clio.

Entre os concorrentes do campeonato 2R/2L, Pedro Antunes (Peugeot 208 R2) foi o grande vencedor. O nono lugar à geral foi também um prémio para o jovem piloto que deixou Paulo Neto (Citroën DS3 R1) em segundo do campeonato, a 5,6s.

No Challenge DS3 R1, destaque para a vitória folgada de Diogo Soares. O vencedor do troféu em 2016 mostrou-se surpreendido com os resultados troço após troço. A presença de pilotos mais experientes como João Ruivo e Miguel J. Barbosa fê-lo pensar que a vitória não estaria ao alcance. Mas é certo que o jovem madeirense mostrou todo a sua competitividade no asfalto da Beira Baixa e selou a primeira vitória de 2017.

O Rali de Castelo Branco também pontuou para a Taça Nacional de Ralis de Asfalto, competição em que Fernando Teotónio (Mitsubishi Lancer Evo VII) foi categórico. A diferença de 2m35,4 segundos para Nelson Trindade revela bem a sua superioridade.

Na prova Extra, a dupla Ricardo Coelho/Beatriz Pinto, em Toyota Starlet, levou a melhor sobre Aníbal Rolo e Emílio Reixa que foram segundo e terceiro, respectivamente.

Duelo DS3 com vantagem para Fontes

A terceira secção do Rali de Castelo Branco, realizada durante esta manhã, ficou marcada pelo duelo entre Carlos Vieira e José Pedro Fontes. Os pilotos, ambos em DS3 R5, venceram as três especiais (duas para Vieira e uma para Fontes) e estiveram na liderança da classificação geral. Mas no derrradeiro troço, o campeão nacional respondeu aos ataques do adversário para voltar ao comando com uma vantagem de 2,1 segundos.

João Barros regressou a Castelo Branco no terceiro posto, a 12,5 segundos de Fontes. A posição do piloto do Ford Fiesta está relativamente segura na medida em que o quarto classificado, Miguel Barbosa, está a mais de 1m30s do primeiro da tabela.

No Grupo N, Ricardo Teodósio foi superior durante toda a secção e consolidou a liderança face a Carlos Martins, segundo classificado, a mais de 20 segundos de distância. Nas duas rodas motrizes, Pedro Antunes continua na frente e tem uma folga maior pois ganhou tempo a Paulo Neto.

Campeão nacional comanda após primeiro dia

José Pedro Fontes e Inês Ponte concluíram a primeira etapa do Rali de Castelo Branco na frente da classificação geral. A dupla do DS3 R5 venceu o segundo troço do dia com uma vantagem que lhe permitiu assegurar o primeiro posto à frente de João Barros. O piloto do Ford Fiesta é segundo a 2,9 segundos e Carlos Vieira, em carro semelhante ao de Fontes, ocupa o terceiro lugar.

A primeira etapa do Rali de Castelo Branco começou com a especial Sarzedas. O líder do campeonato, Pedro Meireles, deu um toque com o Skoda Fabia R5 e, depois de perder mais de um minuto, acabou mesmo por abandonar. 11º na estrada, Carlos Vieira estabeleceu a melhor marca e foi o primeiro líder da prova organizada pela Escuderia Castelo Branco.

O estatuto de primeiro esteve por pouco tempo nas mãos do piloto de Braga. Vieira foi apenas o segundo mais veloz em Vidigal e o tempo perdido para José Pedro Fontes, que estabeleceu a melhor marca, fê-lo cair uma posição. Com o melhor registo, o campeão nacional foi promovido ao lugar mais alto do pódio. João Barros, por sua vez, sentiu problemas de travões no Fiesta e desceu para o terceiro lugar.

Ainda antes da super-especial realizada em Castelo Branco, José Pedro Fontes estava satisfeito com o seu desempenho. “Entrámos cautelosos para avaliar a concorrência. Atacámos na segunda especial e correu tudo bem”, disse.

Na classificativa noturna, o mais forte foi João Barros. O piloto que venceu este rali no ano passado superiorizou-se aos adversários e aproveitou o deslize de Fontes (falhou a travagem e a passagem na primeira chicane), que perdeu 6,5 segundos, para se aproximar do primeiro lugar.

“No último troço demos o máximo sem qualquer problema. Amanhã vamos para a ‘guerra’ com o Zé Pedro e com o Carlos Vieira”, disse João Barros.

Os três primeiros estão muito perto uns dos outros. Com seis especiais por realizar na segunda etapa, Carlos Vieira parte em terceiro a apenas 4,6 segundos do líder. “Vamos tentar fazer melhor porque já percebemos que temos andamento para discutir a vitória”, salientou.

Miguel Barbosa, em Skoda Fabia R5, surge no quarto lugar mas a mais de 40 segundos de Fontes. O top-cinco completa-se com Hugo Mesquita, que corre ao volante de um Skoda Fabia S2000.

Na categoria RC2N, o habitual Grupo N, Ricardo Teodósio está na frente mas por uma diferença muito pequena. O piloto algarvio está a protagonizar um duelo interessante com Carlos Martins, mas uma super-especial menos conseguida do alentejano fez com que os dois tenham concluído o dia separados por 9,4 segundos.

Entre os concorrentes do campeonato nacional 2R2L, Pedro Antunes é o líder. O piloto acabou as primeiras duas especiais na terceira posição. Mas com um classificativa noturna sem erros e depois de os adversários não terem sido felizes, o piloto do Peugeot 208 R2 conseguiu saltar para o primeiro lugar. Paulo Neto é segundo e Gil Antunes ocupa o terceiro lugar.

Diogo Soares está a mostrar que a conquista do Challenge DS3 R1 em 2016 não foi obra do acaso e termina o primeiro dia do Rali de Castelo Branco na frente desta competição. “Entrámos bem no primeiro troço mas perdemos cerca de quatro segundos devido a uma saída de estrada. Não esperava andar ao nível de pilotos tão experientes. O objectivo é lutar pela vitória”, afirmou o madeirense.

No troféu ibérico Renault Clio, o domínio é espanhol. Francisco Cima lidera à frente do seu compatriota Javier Bouza. Os dois são, também, os melhores concorrentes em carros com apenas duas rodas motrizes.

Nas contas da Taça Nacional de Ralis de Asfalto, Fernando Teotónio lidera de forma confortável, enquanto na prova extra, o melhor é Ricardo Coelho.

Amanhã, os concorrentes do Rali de Castelo Branco têm um dia de competição preenchido. São seis especiais de classificação, três de manhã e mais três durante a tarde. A primeira, São Domingos, começa às 10h46.

Super-especial em directo
José Pedro Fontes comanda após os dois primeiros troços

O campeão nacional em título, José Pedro Fontes, é o líder do Rali de Castelo Branco após os dois primeiros troços. O piloto do DS3 R5 começou a prova no terceiro posto mas desferiu um ataque na classificativa mais longa da etapa para assumir o comando da classificação geral. Carlos Vieira, também em DS3 R5, ocupad o segundo lugar, a 5,3s de Fontes, enquanto João Barros, em Ford Fiesta R5, é terceiro a 9,4s do primeiro.

 

LISTA DE INSCRITOS PROVIS�RIA

O prazo limite de inscrição no Rali de Castelo Branco passou a ser o dia 7 de março, terça-feira.

 

 

LISTA PROVISÓRIA

C. Branco volta a reunir a elite dos ralis

Beira Baixa recebe a segunda ronda do campeonato nacional

 

 

 

 

 

Os próximos dias 11 e 12 de Março vão ser de grande animação, muito espectáculo e emoções fortes na região da Beira Baixa. O Rali de Castelo Branco, segunda prova do campeonato nacional da especialidade, vai para a estrada e as melhores equipas portuguesas apresentam-se à partida para mais uma edição que se espera muito competitiva.

 

 

A lista de inscritos ainda não está fechada, mas os nomes que já confirmaram a presença, em mais esta organização da Escuderia Castelo Branco, aumentam as expectactivas já elevadas para esta ronda do campeonato. Mais uma vez, boa parte da Beira Baixa será invadida pelo roncar dos motores e os muitos apaixonados da disciplina têm bons motivos para visitar a região.

 

 

A prova tem início na tarde de sábado, dia 11. A organização reservou três provas especiais para este dia. O primeiro embate realiza-se num troço, Sarzedas, com 12,72 quilómetros de extensão em que os candidatos à vitória não têm margem de erro. Aí se farão as primeiras diferenças. Mas é na especial seguinte, Vidigal, que está o maior desafio do dia. São 18,35 km contra o cronómetro na zona mais a Oeste do Rali de Castelo Branco. Cumpridas estas duas especiais, as equipas regressam à capital de distrito para a classificativa espectáculo na cidade.

 

 

Super-especial com milhares de pessoas

A fórmula foi tão bem-sucedida que a Escuderia Castelo Branco continua a utilizá-la. Por isso, a edição de 2017 do Rali de Castelo Branco volta a ter uma super-especial a fechar a competição do primeiro dia. Os 2,32 km junto à Rotunda Europa já são conhecidos e espera-se, de novo, uma enchente para assistir à passagem dos concorrentes.

 

 

No segundo dia de prova, o Rali de Castelo Branco divide-se em duas secções. Na primeira, as equipas competem em São Domingos (9,12 km), Fonte Longa (14,23) e Alvito (19,29 km). A secção da tarde é a repetição das especiais da manhã. Ou seja, estão reunidos os ingredientes para que haja emoção até ao fim pois a derradeira classificativa desta ronda é, à semelhança da PE6, a mais longa da prova.

 

 

No total, os concorrentes que participam na edição de 2017 do Rali de Castelo Branco têm quase 120 quilómetros de estradas sinuosas e com diferentes tipos de piso nas quais se vão colocar à prova.

 

 

Mais uma vez, o Rali de Castelo Branco volta para a estrada fruto da organização da Escuderia e do incondicional apoio das mais diversas instituições públicas e privadas, com destaque para a autarquia de Castelo Branco e para as juntas de freguesia por onde se desenrola o percurso da prova.

 

 

A realização de mais uma edição do Rali de Castelo Branco, que pontua para o campeonato nacional da modalidade pela quarta vez consecutiva, só é possível pela excelente cooperação entre todas as entidades envolvidas que vêem a modalidade como um fantástico meio de promoção da região.

 

 

Três perguntas ao director do rali, Luís Dias

 

 

O que mais destaca na edição de 2017?

Esta é a primeira prova do campeonato em pisos de asfalto. Os indicadores reunidos na ronda inaugural da temporada, o Rali Serras de Fafe, são extremamente positivas. A competitividade é elevada. Os intervenientes estão bastante bem equipados e isso cria elevadas expectativas em relação aos dois dias de competição marcados para os dias 11 e 12 de Março. Esta ano vamos ter mais acção, a começar na sexta-feira, dia 10. Definimos um percurso com cerca de três quilómetros para as equipas realizarem o shakedown com todas as condições de segurança. Além disso, está situado muito perto do parque de assistência. Assim, as equipas não têm de mobilizar os seus meios, o que é uma vantagem.

Relativamente ao percurso competitivo, a única alteração face a 2016 está nas classificativas 5 e 8, de nome Fonte Longa. Na localidade que dá o nome à especial, o itinerário é ligeiramente diferente com o propósito de baixar a velocidade média pois esta era um pouco elevada.

 

 

Quais as principais características do percurso?

Este é um rali com pisos muito bons. Em termos de afinações, não é demasiado exigente porque o funcionamento dos carros é semelhante em praticamente todos os troços. Tem poucas curvas com problemas de sujidade após a passagem dos primeiros pilotos porque as bermas são bastante compactas. No geral, podemos dizer que é um rali rápido mas com zonas bastante técnicas.

 

Houve alguma preocupação especial relativamente aos espectadores?

Criámos zonas espectáculo em todas as classificativas para as pessoas poderem assistir ao rali com todas as condições de segurança e o máximo conforto possível. A Escuderia Castelo Branco convida todas as pessoas que queiram assistir ao Rali de Castelo Branco a fazê-lo nestes locais. Aí haverá marshall que darão todas as informações e que evitam que haja quem se coloque em sítios perigosos. Também haverá serviços disponíveis, como espaços de alimentação, para que os espectadores não sintam a necessidade de sair e perder a passagem dos concorrentes.